Notícias

Ajuste fiscal caminha "celeremente para ser um desajuste social", alerta Renan

17/07/2015 | 1724 pessoas já leram esta notícia. | 6 usuário(s) ON-line nesta página

O ajuste fiscal caminha "celeremente para ser um desajuste social", alertou o presidente do Senado, Renan Calheiros, ao apresentar um balanço das atividades do Senado no primeiro semestre. Em sua opinião, existe atualmente uma "explosiva combinação de recessão, inflação alta, desemprego e juros pornográficos". Até aqui só o trabalhador pagou a conta, advertiu o senador, e não há ainda horizonte após o ajuste.

- A realidade econômica é conhecida de todos, e as dificuldades inegáveis. Em um sistema presidencialista, o chefe do governo pediu a autorização do Parlamento a fim de implementar medidas apontadas como imprescindíveis para fazer face à crise. Aprimorando-as, como é de sua atribuição, o Congresso, no seu limite, forneceu essas ferramentas, mas os resultados, como alertamos, são muito modestos - analisou.

O presidente disse ainda que o Congresso é composto de "homens responsáveis e patriotas" e não é um agente de instabilidade. Segundo ele, as dificuldades enfrentadas pelo país não foram criadas no Parlamento. Além disso, não é a política que contamina a economia, mas o que alimenta a crise política é a crise econômica.

Para Renan Calheiros, o Congresso tem feito a sua parte.

- Aqui procuramos ajudar, contribuir e aperfeiçoar medidas para recolocar a nação no rumo do crescimento e da distribuição de riquezas e, quando necessário, frear a sanha arrecadadora, como o fizemos na devolução de uma medida provisória juridicamente equivocada que teria agravado a recessão e o desemprego - lembrou.

Protagonismo

As considerações sobre o momento econômico do país foram feitas quando o presidente abordou o protagonismo do Congresso Nacional. Segundo ele, não se trata de fato atrelado às circunstâncias, mas um processo que vem evoluindo há algum tempo, "com o resgate das prerrogativas dos parlamentares e a independência dos poderes".

- Este protagonismo não é de agora. Lembro que quebramos o monopólio da União e avançamos no orçamento impositivo inovamos ao fixar um prazo mínimo para a chegada de medidas provisórias no Supremo, provamos não ser admissível o controle preventivo da constitucionalidade. Também devolvemos aos parlamentares a palavra final sobre o processo legislativo, com a apreciação periódica de vetos presidenciais - enumerou.

Na opinião de Renan, o Parlamento não se aproveita de nenhuma circunstância para se afirmar, mas se ampara em suas prerrogativas constitucionais de fiscalizar e legislar.

O presidente também afirmou que o Poder Legislativo vai ajudar a achar os melhores rumos para o país, mas mantendo a independência e a altivez. Todavia, acrescentou, é um equívoco confundir colaboração com submissão:

- Estamos apenas no meio do ano e os desafios, notadamente na economia, são monumentais. Há uma crise recorrente e é desnecessário reiterar que não há mais espaço para soluções de força e fora da lei. É também um equívoco achar que colaboração possa ser confundida com genuflexão, submissão ou leniência. O Brasil espera o melhor de cada um de seus representantes para superarmos este momento difícil - concluiu.

Fonte Agência Senado