Notícias

Comissão do Senado aprova PEC que torna estupro crime imprescritível

06/04/2017 09:50:00 | 332 pessoas já leram esta notícia. | 24 usuário(s) ON-line nesta página

É algo que ficou corriqueiro, diz senador sobre violência sexual no país
Atualmente, crimes de violência sexual prescrevem após 20 anos (Reprodução: pixabay.com)

Integrantes da Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovaram, nesta quarta-feira, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que torna o estupro crime imprescritível. O texto de autoria do senador Jorge Viana (PT-AC) segue para discussão no plenário da Casa. Para ser aprovado, é preciso o apoio de pelo menos três quintos dos senadores em uma votação composta de dois turnos.

"Nós estamos lidando com algo que tem muito de invisível. As organizações da sociedade, os órgãos públicos, todo o aparato policial não conseguem alcançar sequer a cifra relativa ao número de estupros em nosso país, mas nós, no Brasil, disputamos os primeiros lugares no mundo [em números de violência sexual], é algo que ficou corriqueiro", afirmou Viana na sessão.

Relatora da proposta, a senadora Simone Tebet (PMDB-MS) ressaltou que o período de 20 anos para a prescrição, previsto hoje, é um prazo muito curto.

"Quero aqui apenas lembrar que o crime de estupro hoje tem uma prescrição de 20 anos, mas trabalhando com dados, como trabalhamos na Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher, de que quase 70% dos casos de estupro acontecem no ambiente familiar, muitos ou talvez a maioria deles envolvem crianças e adolescentes, nós não podemos colocar prazo para que uma criança violentada - não uma, mas diversas vezes - tenha apenas um prazo de 20 anos. Uma criança que sofre esse tipo de crime, de violência não só no seu corpo, mas na sua alma, por anos consecutivos não leva apenas 20 anos", disse a senadora.

O senador Magno Malta (PR-ES) concordou com a relatora do projeto.

"Quem recebeu violência, quem foi abusado, uma mulher estuprada, uma criança estuprada ou uma idosa, seja quem for, precisa, no seu momento emocional, no momento da sua decisão, ter o seu tempo, para ver punido aquele que, do alto da sua tara, da sua doença mental, da sua safadeza, da sua indignidade, abusou e violentou outro ser humano", declarou.

Ao final do debate, o texto foi aprovado com o voto contrário do senador Roberto Requião (PMDB-PR).

Fonte Band Notícias