Notícias

Novo bloqueio congela R$9 milhões em aposentadoria privada de Lula

21/07/2017 09:51:00 | 512 pessoas já leram esta notícia. | 22 usuário(s) ON-line nesta página

Por determinação do juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo na tarde desta quinta-feira de um novo bloqueio de bens, desta vez de 9 milhões de reais em saldos de contas de previdência privada.

A medida é uma decorrência dos efeitos da condenação do ex-presidente na semana passada a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo um tríplex no Guarujá (SP).

O bloqueio atinge dois planos de previdência feitos pelo ex-presidente na BrasilPrev, um empresarial, vinculado à LILS Palestras e Eventos Ltda no valor de cerca de 7,2 milhões de reais, e outro individual, com saldo de 1,8 milhão de reais.

Na véspera, a Justiça Federal já havia obtido o congelamento de 606 mil reais de contas bancárias de Lula, bem como imóveis e carros.

Essas restrições atendem à solicitação do Ministério Público Federal e tem por objetivo garantir um eventual ressarcimento público do produto do crime ao final do processo a que Lula responde.

No comunicado à Justiça Federal, a entidade de previdência complementar informa que o plano de previdência empresarial do ex-presidente --no qual houve o maior repasse-- contou com um único aporte de recursos, realizado em 6 de junho de 2014.

"Esclarecemos que conforme determinação, procedemos com o bloqueio total dos planos em tela, até segunda ordem deste juízo. Desta feita, aguardamos a manifestação de Vsa. Exa. quanto a eventual resgate e transferência para os autos do processo supracitado, hipótese em que incidirá o Imposto de Renda na forma da lei", afirma a representante do BrasilPrev no comunicado à Justiça.
Recurso

A defesa do ex-presidente entrou na tarde desta quinta com um mandado de segurança perante o Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), com pedido de liminar, a fim de suspender os efeitos das decisões de bloqueio de bens até o julgamento do mérito do recurso. Cobra ainda que se reconheça a ilegalidade da decisão de Moro, com o consequente levantamento de todas as medidas determinadas e a restituição dos bens e valores ao ex-presidente.

Os advogados contestam a defesa e argumentam, entre outros pontos, que os bens e valores adquiridos por Lula são lícitos e foram auferidos antes dos fatos sob investigação.

"Pedimos a concessão de medida liminar, para suspender de imediato os efeitos da decisão de primeiro grau --para que haja a restituição da disponibilidade dos bens e valores de Lula-- e, ao final, para que seja reconhecida definitivamente a ilegalidade da decisão impugnada, com a consequente declaração da sua nulidade", diz a defesa do ex-presidente em nota.

Fonte Reuters Brasil