Lula tenta afastar temores europeus sobre biocombustível

06/07/2007 | 2545 pessoas já leram esta notícia. | 4 usuário(s) ON-line nesta página


 
Lula disse a europeus que cultivo de etanol não ameaça Amazônia 
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira, em Bruxelas, que o Brasil está desenvolvendo um programa de certificação “que permitirá mostrar que toda cadeia de produção dos biocombustíveis no país respeita critérios ambientais, sociais e trabalhistas”.
O anúncio foi feito na abertura da conferência internacional de biocombustíveis promovida pela Comissão Européia, em que Lula discursou como convidado de honra, logo depois de o comissário europeu de Comércio, Peter Mandelson, ressaltar que na Europa “há preocupações legítimas em relação aos danos ambientais que a produção de biocombustíveis poderia causar”.

Diante de uma platéia que reuniu ministros, estudiosos, empresários e organizações não governamentais, o presidente negou as maiores preocupações levantadas em relação ao aumento da produção de biocombustíveis no Brasil.

“A experiência brasileira mostra ser incorreta a oposição entre uma agricultura voltada para a produção de alimentos e outra para a produção de energia. A fome no meu país diminuiu no mesmo período em que aumentou o uso dos biocombustíveis. O plantio de cana-de-açúcar não comprometeu ou deslocou a produção de alimentos”, afirmou.

“Todos sabemos que não há escassez de alimentos no mundo, mas escassez de renda capaz de garantir o acesso das populações mais pobres ao que comer. Não estamos aqui escolhendo entre comida e energia.”

Contra as críticas de que a expansão da produção de cana-de-açúcar poderia ameaçar a floresta amazônica, Lula disse que “o cultivo da cana no Brasil ocupa menos de 10% da área cultivada do país, ou seja, menos de 0,4% do território nacional”.

“Essa área, é bom que se diga, fica muito distante da Amazônia.”

Democratização

Lula também defendeu a criação de padrões internacionais de normas técnicas sobre o etanol e o biodiesel, o que abriria caminho para que esses combustíveis alternativos sejam considerados commodities e possam ser negociados internacionalmente, com cotação em Bolsa.

Para o presidente, a inclusão dos biocombustíveis na matriz energética internacional também ajudaria a “democratizar” o acesso a fontes de energia.

"No mais humilde dos países, qualquer um tem a tecnologia e o conhecimento para cavar um buraco de 30 centímetros e semear uma planta oleaginosa."

“Estaremos reduzindo as assimetrias e desigualdades entre os países consumidores e produtores de energia, e prevenindo potenciais conflitos derivados da competição por recursos energéticos finitos”, afirmou.

Tarifas

Sem citar nomes, Lula ressaltou que “os mesmos governos que defendem publicamente seus compromissos com desenvolvimento sustentável e com a redução do efeito estufa não podem criar empecilhos para que os combustíveis se transformem em commodities internacionais e não podem gravar suas importações com pesadas alíquotas que não aplicam ao petróleo”.

A mensagem pode ter sido dirigida a Bruxelas, que atualmente aplica uma tarifa de importação de 19,2 euros (cerca de R$ 50) a cada cem litros de etanol importado do Brasil.

O presidente, entretanto, afirmou que ainda não é hora de falar na redução dessas tarifas.

“Primeiro devemos criar um mercado internacional para os biocombustíveis. Depois falaremos em números”.

Lula também anunciou que o Brasil promoverá uma conferência internacional sobre biocombustíveis em julho de 2008, no Rio de Janeiro, que ele pretende que “constitua um marco histórico” para o mercado desses combustíveis alternativos.

O presidente também se disse otimista em relação à conclusão da Rodada de Doha.

“Depois destes dois dias em Bruxelas e Lisboa, vou embora com a convicção de que vamos conseguir um acordo. Tivemos uma atmosfera tão positiva que temos que avançar”, afirmou.

 


Fonte: BBC Brasil
 
 
 
Siga o Direito do Estado
nas redes sociais
Parceiros
Seja nosso parceiro,
clique aqui.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
     
 
         
 
  • Últimas notícias
  • Notícias mais lidas
  • REDE
  • REDAE
  • RERE
  • Biblioteca Virtual
  • Livraria
Site mantido pelo  


Editor do site
Prof. Paulo Modesto
(UFBA)
 
         
 
 
 
 
 
Desenvolvido pela E-Xis Digital Consulting / InovaSync Tecnologia de Inovação